post-money-1

Como você lida com o estresse financeiro?

Posted on Posted in Educação Financeira

Infelizmente, o estresse é um elemento quase onipresente em nossas vidas. O acúmulo de responsabilidades, pressões e expectativas alheias acaba sobrecarregando a todos, e se adicionarmos a essa fórmula o sofrimento financeiro causado por dívidas, teremos a receita pronta para uma bomba relógio.

No entanto, apesar dos fatores externos – agravados pela crise financeira que o país atravessa -é possível reduzir a pressão psicológica, especialmente no que se refere a como nos relacionamos com as dívidas, e o que efetivamente fazemos para melhorar nossa condição no longo prazo.

O primeiro passo começa na consciência, na aceitação de que o estresse financeiro é algo real, que traz ansiedade e preocupação desnecessárias. Superar a negação e aceitar a realidade – mesmo que difícil – é o primeiro passo para se libertar de tal aflição.

Após admitir o problema, é muito importante identificar as suas mais variadas causas. Em princípio, pode-se pensar que o estresse vem somente quando chega a conta do cartão de crédito, mas também o sofrimento financeiro vai se construindo em camadas. Por exemplo, uma pessoa pode se sentir angustiada cada vez que vê seu carro com a porta amassada, mas o fato de não ter levado para conserto pode ser simplesmente falta de dinheiro. Ao contrário da conta bancária, que chega uma vez por mês, o convívio com a porta amassada é diário, e a cada que se depara com o incômodo, o estresse pesa um pouquinho mais.

Após listar os problemas, é importante estabelecer um ranking, com critérios claros, com o valor das dívidas, e o impacto que cada conta traz para sua vida.  Esse ranking, embora pareça um exercício de masoquismo, resulta em um mapa fundamental para sair da situação desconfortável. Ele mostra as prioridades que se deve atacar, organizadas pelo peso que somam ao fardo da conta no negativo.

Por fim, este não precisa ser um exercício solitário. Tais angústias tendem a diminuir quando compartilhadas, e às vezes soluções óbvias nos escapam, pois estamos com os olhos embaçados de tanto olhar o problema. Neste momento, seu cônjuge, ou um bom amigo, podem valer verdadeiro ouro. Conte com isso.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *